CORDILHEIRA DOS ANDES

CORDILHEIRA DOS ANDES
Complexo Hoteleiro localizado a 3 mil metros de altitude na Cordilheira dos Andes, na estação de sky Valle Nevado em Santiago do Chile - Foto 03.05.2012

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

O Silêncio sem Resposta

O Brasil com seu tamanho continental, multicultural, multiétnico, vive há mais de 500 anos sob os auspícios da corrupção escandalosa na administração pública. Não vou entrar nos aspectos históricos, cujos fatos possibilitariam escrever uma enciclopédia de tantas falcatruas praticadas por piratas investidos no poder de comandar uma das maiores economias do mundo às custas de alto sacrifício do povo.
Alguns fatos notórios surgiram nos últimos dias, no cenário da administração pública, nascidos no seio do Poder Executivo. Tudo são escândalos vergonhosos que deixaria qualquer povo do além mar, ruborizado de tanta vergonha. Atos praticados no reino de Ali Babá e que estão prestes a explodir e que esperamos surtam reais efeitos.
Pois bem... Como se não bastasse o fato dos cartões corporativos, com a farra dos gastos desmedidos, aparecem agora, episódios novos que nada mais servem senão para quem sabe, desviar a atenção do povo do país de Alice de acontecimentos muito mais graves.
O que deixa o cidadão perplexo é como tudo foge da vigilância dos "guardas de plantão" petista ou do silêncio sem respostas proposital!
Querem ver como existem coisas que só acontece no Brasil? A grande maioria do povo brasileiro está se perguntando que "relevantes serviços" teria prestado a digníssima esposa do Presidente da República, Sra. Marisa Letícia, à aeronáutica para ser condecorada com a Medalha "Santos Dumont" no início de fevereiro deste ano, lá no extremo Rio Grande do Norte. Teriam sido os relevantes serviços prestados à Aeronáutica Brasileira, quando usou aviões militares para transportar familiares, como o fez na oportunidade em que um dos seus filhos viajou entre São Paulo e Brasília (ida e volta) com um grupo de amigos, apenas para passear?
Outro fato estarrecedor, ditos por um ex-empregado da Petrobrás, “encarregado de compulsar documentos sigilosos,” que denunciou que os petistas de Lula teriam invadido as dependências da Petrobrás com a eficiência de uma KGB para se apoderarem de documentos sigilosos da Petrobrás, armazenados em alguns computadores portáteis da empresa. Entre tantas perguntas sem respostas, esta é a que mais chama atenção: como “arquivos sigilosos” foram roubados de um container de cargas em um percurso tão pequeno, em águas nacionais?
Outra curiosidade que chamou a tenção esta semana e que ninguém conseguiu entender até agora, é a importância da viagem de Lula à Antártica. O Presidente Lula, a esposa e um filho acompanhado de mais uma numerosa delegação, estão presos naquele fim de mundo aguardando condições metereológicas favoráveis , para seguir viagem. O que teria de tão misterioso, que tivesse motivado o Presidente da República, ficar à disposição do tempo, usando logicamente “cartão corporativo” para pagar essa despesa totalmente desnecessária? O seriam a extensão dos relevantes serviços que a Sra, Marisa Letícia está prestando à Aeronáutica? Francamente é duro carregar a identidade brasileira. O Presidente Lula vem se comparando com o governo do Presidente Getúlio Vargas. Ora, o que Lula não pode esquecer é que o Presidente Vargas se suicidou.
Por fim, como se sairão os estrategistas do Lula para dar estas explicações ao povo de tantas falcatruas? Acho que os escândalos novamente escaparam ao controle das Excelências do Executivo e também do próprio Legislativo, cujas respostas o país exige.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

A Presença no Poder sem Fronteiras

Durante esta semana o Rio Grande do Sul é palco de um evento semelhante ao Fórum Social Mundial, desta vez discutindo com autoridades do mundo inteiro, a estrutura das cidades cujo principal objetivo é adequar as células municipais aos novos tempos com novos paradigmas, durante a realização da Conferência Mundial sobre Desenvolvimento das Cidades no centro de eventos na PUC em Porto Alegre.
Excelente iniciativa do promotor do evento. De há muito defendemos de que o princípio da construção das mega cidades, com superpopulações, precisam se adequar à outra realidade organizacional, não só de infraestrutura, mas também com todos os requisitos necessários ao bem estar de cada indivíduo. A capital São Paulo,por exemplo, abriga em seus 1.523 quilômetros quadrados uma população de 10.886.518 habitantes. São mais de sete mil habitantes disputando o espaço do quilômetro quadrado. Comparando estes dados com municípios como por exemplo Picada Café, cidade ao pé da serra gaúcha é estratosférica a diferença. Neste município, 4.824 habitantes disputam 85 quilômetros quadrados, ou seja, 56 habitantes por quilômetro quadrado. Descabe qualquer esforço para se chegar a conclusão que a qualidade de vida das cidades de alta densidade populacional é precaríssima.
A quebra de paradigma é de que os habitantes passem de meros moradores, à agentes participativos no processo de desenvolvimento comunitário que contemplem também a qualidade de vida no mais amplo sentido é necessária. Além dos poderes do Estado, o exercício da participação individual de cada munícipe comprometido com a saúde orgânica de sua "polis" exige da própria comunidade a ocupação do "podium" da democracia, inclusive, regulando a expansão da explosão demográfica. Uma visão de poder sem fronteiras na expressão do exercício democrático.
Tal como o país de dimensões continentais, as mega cidades ou as mega metrópoles, perderam o controle de sua organização, segurança, identidade cultural entre outros valores. Tanto é verdade que os municípios de melhor qualidade de vida sempre são os de pequena dimensão populacional, como demonstrado acima. Pequena estrutura, organizadas, são exemplo da cidade Tupandi, do interior do Rio Grande do Sul, com 3.000 habitantes disputando espaço geográfico de 50 quilômetros quadrados, classificada como a segunda cidade entre as cem no "rancking" de municípios brasileiros, com o melhor índice de qualidade de vida. Aqui também não podemos perder de vista outras cidades do Rio Grande do Sul, destacadas pelos excelentes índices de aprovação de administração pública, na estrutura da assistência social, educação, etc. a exemplo dos municípios de Nova Petrópolis, Picada Café, Feliz, Bom Princípio, Ivoti, etc.
Se necessária uma mudança para melhorar a qualidade de vida das pessoas, também é necessário que elas participem com seu envolvimento na vida comunitária, a partir, não só do voto, como uma mera obrigação legal, mas das sugestões, indicações, participação comunitária na manutenção da estrutura cultural.
A grande aldeia global está sendo organizada pelos capitais mundiais, como um centro único de consumo de todas as mercadorias produzidas no universo industrial, em torno das quais – indústrias – as cidades se projetam ao crescimento sócio-econômico-cultural. Os capitais não têm fronteiras. Os lucros das multinacionais são astronômicos. O empregado deixou de existir e se tornou um parceiro na construção do mercado de ocupação, na relação capital x trabalho. A antiga figura do patrão foi substituída pelo investidor, quebrando assim, outro paradigma. As igrejas, outrora respeitadas, freqüentadas pelos munícipes fiéis, se transformaram numa autêntica "Indústria da Fé", levando ao "Senhor Deus do Metal Amarelo" os devotos salvos desde que tenham recheado saldo bancário, o que deixa outra interrogação sem resposta do que Cristo Jesus combateu em seus ensinamentos.
Governo e Empresas; cidadãos e estado são componentes indissociáveis. Mas não se confundem, embora um não existe sem o outro num mercado de livre economia. O Estado como instituição se perdeu na distância da real razão de ser, que é o de servir ao cidadão. A partir desta premissa nasce a exigência do envolvimento de cada um na construção do todo. Portanto, é oportuna a Conferência Mundial das Cidades na construção dos novos paradigmas. E-mail: cos.Schneider@gmail.com